Cirurgia de Catarata em Curitiba, Oftalmologista em Curitiba   (41) 3225-7696

Cirurgia de Catarata em Curitiba     Cirurgia Catarata Curitiba

Simuladores mostram efeitos reais da cirurgia de catarata

Cientistas do Conselho Nacional de Pesquisa Espanhol (CSIC) testaram aparelhos que simulam, para cada paciente, o resultado final da cirurgia de catarata – uma doença que deixa a vista embaçada devido à perda de transparência da nossa lente natural (o cristalino). E os resultados, animadores, foram publicados no periódico Scientific Reports.

Esses dispositivos recorrem a várias lentes, espelhos, moduladores de luzes e outros recursos da física para retratar como o procedimento pode afetar a visão, para o bem e para o mal. O usuário basicamente coloca o simulador na cabeça e começa a olhar ao redor.

A questão: até agora, nenhum trabalho havia checado se essa tecnologia reproduz com fidelidade como ficará a visão depois da operação. “O conceito é extremamente complexo. É um grande trabalho”, opina o oftalmologista Wallace Chamon, membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO).

Após testes em um grupo de voluntários, os pesquisadores do CSIC validaram com sucesso o realismo dos simuladores. É uma força e tanto para que eles sejam lançados no mercado.

“A possibilidade de o paciente experimentar a nova visão antes da cirurgia é bastante atrativa para reduzir a incerteza e manejar expectativas”, afirma, em comunicado à imprensa, a física Susana Marco, do Instituto de Óptica, na Espanha.

Como o simulador vai ajudar os portadores de catarata

Para entender a grande vantagem desses aparelhos, é necessário antes entender mais sobre a cirurgia, o único tratamento curativo contra a catarata, que afeta principalmente os mais velhos.

Wallace Chamon explica que, no procedimento, o cristalino leitoso e danificado da pessoa é retirado e substituído por uma lente multifocal artificial de material acrílico. Por meio da biometria ocular, um exame que calcula diferentes medidas no globo ocular, o oftalmologista decide qual tipo de lente artificial deverá ser empregada.

“Essa lente também é capaz de corrigir erros como miopia, hipermetropia e astigmatismo. A necessidade de usar óculos deixa de existir em 90% dos casos”, aponta o especialista.

Apesar dessa vantagem, Chamon informa que certos indivíduos sentem efeitos colaterais, como ficar com a vista ofuscada ou com menos contraste e enxergar raios de luz parecidos com os do farol de carros.

“Essas alterações são mínimas e bem toleradas. O olho se adapta na enorme maioria das vezes e, depois de seis meses do procedimento, não há mais queixas”, acrescenta.

No entanto, uns poucos pacientes acabam querendo trocar a lente por não suportarem as reações adversas. Então, o oftalmologista decide com ele se apostará em outra lente multifocal ou numa versão diferente.

“Esse processo é difícil, porque não consigo descrever como ficará a visão da pessoa”, admite o oftalmologista. Embora o simulador possa ajudar em qualquer fase, mostrando os benefícios e as limitações da cirurgia, é aqui que ele ganha valor especial.

Ora, o aparelho simula os efeitos que podem aparecer na visão com cada tipo de lente artificial. Dessa maneira, ajuda na escolha, diminuindo o risco de insatisfação no pós-operatório.

“É um avanço. O trabalho foi feito por um grupo do mais alto gabarito, divulgado de maneira cientificamente séria e foi consequência de uma pesquisa longa. A equipe tem uma credibilidade muito grande e os resultados apresentados são consistentes”, conclui Chamon.

Fonte: https://saude.abril.com.br